Palestrante motivacional e comportamental, Consultora de marketing e treinamentos, Empresária, Escritora, Especialista em iDeias sobre a arte de seduzir
« voltar

Desmistificando o Sexo Anal

Cercada de mitos, dúvidas e incertezas, a prática do sexo anal sempre é um tema polêmico. Hoje vou te ajudar a desmistificar esse assunto e mostrar como pode ser uma porta de entrada para o prazer.

 

O sexo anal causa muitas dúvidas e inseguranças, porém desperta muito a curiosidade dos homens, inclusive pela relutância de algumas mulheres em aceitar esse tipo de ato sexual. Intrínseco a isso, toda a questão do fetiche, de ser uma sensação diferente do sexo vaginal, mexe com o imaginário dos homens, mas ainda causa receio para muitas mulheres.

 

Antes de mais nada, precisamos deixar claro que é possível sim contrair doenças sexualmente transmissíveis (DSTs) através do sexo anal. Por isso, o uso de preservativo é imprescindível. E observe uma atenção muito especial: não pode ser usada a mesma camisinha para penetração no ânus e depois na vagina, pois a camisinha infectada por bactérias presentes no ânus pode causar problemas na mulher, como infecções urinárias, por exemplo.

                    

                    Imagem: Shutterstock


Agora vou te dar algumas iDeias de como tornar a prática do sexo anal prazerosa e uma experiência sexual interessante para ambos.

 

Antes de querer começar com tudo, é muito importante ter calma e muito cuidado e é claro, criar um ambiente especial e propício para uma noite diferente. Para não deixar que nada estrague o clima é muito importante higienizar o local, tanto antes da relação, quanto depois. Existe um amigo que pode ser usada na limpeza antes da relação, chamado supositório de glicerina, que ao ser introduzido no ânus, ele derrete e vai limpando todo o canal anal. A ducha anal, apesar de ser muito conhecida, não deve ser praticada com frequência e sim em casos de emergência, pois se trata de uma ação mais agressiva e não tão prática quanto outros métodos.

 

O parceiro deve começar pelas preliminares, primeiro com a pontinha do dedo para passar uma sensação de segurança – ou utilizar os plugs anais -  e sempre buscando deixar a parceira cada vez mais relaxada, tranquila, para fazer com que a musculature do ânus relaxe. É importante explicar que o sexo anal funciona muito diferente do sexo vaginal, pois no sexo vaginal esse relaxamento da musculatura é mais fácil, principalmente com estímulos e toques, diferentemente do sexo anal, que quando existe algum estímulo o músculo anal tende a retrair-se e não permitir a realização desse momento mágico, por isso a calma e a paciência do parceiro é fundamental par air relaxamento a mulher aos poucos e fazendo com que essa musculatura se relaxe para aproveitar o momento.

 

Quando houver a penetração anal, o parceiro deve estimular seu clitóris, seus seios e investir muito no corpo todo, com muitos beijos e aquela pegada toda especial. Uma posição recomendada para quem quer tentar essa prática é a “colher”, onde a mulher fica deitada de lado e de costas para seu parceiro. Essa posição costuma ser mais confortável para elas.

 

É claro que esse assunto é tema de muita discussão, até por toda história de repressão que a mulher sofreu e ainda sofre por conhecer o próprio corpo, ainda mais quando o tema foge dos padrões e dos conceitos de “normalidade” para a maioria das pessoas. Porém, é muito importante que cada mulher saiba a melhor maneira de sentir prazer e ter interesse de experimentar coisas novas.

 

Portanto, é possível sentir prazer com o sexo anal sim! Inclusive, o sexo anal pode ser muito mais prazeroso do que o sexo vaginal, pois o ânus possui diversas terminações nervosas que estimuladas da forma correta pode ser o caminho certo para um prazer intense. Muitas mulheres podem chegar a alcançar o orgasmo com a penetração anal da mesma forma - ou até com maior intensidade - do que com o sexo vaginal.

 

Muita calma e sem pressa são as dicas fundamentais na hora de tentar e, é claro, usar toda proteção necessária e respeitar os limites de cada um.

 

Vamos desmistificar? Vale a pena tentar!

 

Beijokas,

Andreia Berté.